Obras Devem Melhorar A Situação Do Saneamento na Zona Urbana de Gameleira da Lapa

Os moradores de Gameleira da Lapa têm reclamado com frequência da prestação dos serviços pela autarquia municipal, o Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE), seja pela qualidade da água, suas interrupções ou seja pelo desperdício. Além disso, o sistema abastece as localidade de São Francisco e Boião, que também reclamam da falta de fluxo adequado.

Como se sabe, o Distrito é referência em eventos de grande movimentação de pessoas, como o Carnaval, a Semana Santa, os Festejos Juninos e de Final de Ano. Em alguns momentos a falta de água durante o dia e/ou noite era percebida, e somando a falta de comunicação com a comunidade se tornaram em fatores que colocam em xeque a boa prestação do serviço. Mas, esses casos também ocorriam com razoável frequência fora desses períodos festivos. Ou seja, era um problema crônico para o SAAE resolver.

Dentre estes pontos está a questão ligada ao forte crescimento de Gameleira da Lapa com o aumento de moradores e a construção de novas residências. A integração das comunidades de São Francisco e Boião ao sistema aumentou ainda mais a demanda por água potável. No entanto, a capacidade de produção do atual sistema exigia ampliação e/ou construção de nova Estação de Tratamento de Água (ETA).

De fato, a qualidade de água é algo que preocupa muito os órgãos de saúde. O SAAE tem por obrigação de cumprir a Portaria de nº 2.914 de dezembro de 2011, que disciplina os procedimentos e controles da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. O número de casos relatados de doenças intestinais, mal estar e outras patologias podem estar relacionados a qualidade da água distribuída. As autoridades devem ter muito cuidado, pois a população não pode estar exposta, principalmente as crianças em fase de desenvolvimento.

Outro problema grave que vinha acontecendo na central do SAAE era o desperdício de água durante toda a madrugada, muitas vezes relatados nas redes sociais. A responsabilidade sobre este quesito é de extrema importância, pois a população paga por esta perda de água e pelo gasto de energia.

Ainda em 2014, com as queixas da população, quanto a necessidade de ampliação e requalificação da ETA de Gameleira da Lapa, a Prefeitura Municipal de Sítio do Mato celebrou convênio com a Fundação Nacional de Saúde (Funasa), órgão pertencente ao Ministério da Saúde, no intuito de obtenção de recursos para a melhoria e ampliação do sistema.

O órgão federal aprovou o projeto de expansão orçado na ordem de R$ 1 milhão, ainda em 2014, porém só veio liberar a primeira parcela do recurso em fevereiro de 2016, disponibilizando R$ 508 mil. As obras foram iniciadas e sofreram atrasos. Mas, a segunda e última parcela foi liberada em janeiro de 2018, mais R$ 507 mil, dando outro compasso na execução das obras. Agora, o valor total já foi disponibilizado para a Prefeitura finalizar todas as intervenções pactuadas.

Este projeto inclui um conjunto de ações e obras necessárias: novo sistema de captação (bomba no rio), nova adutora de água bruta (tubulação entre a bomba e a ETA), ampliação da ETA e de armazenamento (equipamentos de tratamento e nova caixa d'água), substituição de parte da rede existente (nova tubulação) e novas ligações com hidrômetro.

Ao que tudo indica, até o final do primeiro semestre 2018, as obras já devem estar prontas e o novo sistema entrar em operação, o que deve eliminar a falta de água e também o desperdício de água na própria ETA. No entanto, ainda não temos garantia de que a potabilidade da água esteja de acordo com a Portaria do Ministério da Saúde, uma vez que a água precisa passar por frequentes análises laboratoriais. Mas, alguns testes feitos por pesquisadores indicaram boa qualidade da água, quando bem tratada.

Sem saneamento adequado é impossível qualquer localidade se desenvolver ou melhorar a qualidade de vida dos seus moradores. Além de ser bom para a saúde, o saneamento favorece o turismo, causando boa impressão dos gestores e moradores, e também promove valorização dos imóveis. Vale lembrar que a água potável é de uso exclusivo para consumo humano. Pagar a conta em dia também é importante para manter o SAAE com maior capacidade de resolver as demandas da população.

As queixas relacionadas a falta de água, da qualidade da água e do desperdício de água devem ser encaminhadas ao Ministério Público Estadual (MPE), já que o município ainda não possui Agência Reguladora (órgão responsável pela fiscalização) e não está cumprindo ainda parte das exigências estabelecidas pela Lei Federal de Saneamento de nº 11.445 de janeiro de 2007.


Matérias relacionadas:

População do Distrito de Gameleira da Lapa se Irrita com Desperdício de Água

Comitê do São Francisco Adia Prazo Para Elaboração de Plano Municipal de Saneamento

Category: Jornal do Povo