Mais de 100 Anos, Carnaval de Gameleira da Lapa Mantém A Tradição e a Atualidade

Um dos mais antigos carnavais da Região Oeste da Bahia, o Carnaval do Distrito de Gameleira da Lapa, Município de Sítio do Mato, sempre tem sido realizado nas suas essências e características, mesmo tendo algumas alterações ao longo dos anos.

O secular evento envolve toda a comunidade, desde a fantasia da criançada até a curtição de quem tanto já participou e hoje está na terceira idade. Muitos turistas e conterrâneos aproveitam a festa por ser o tradicional carnaval, sem tirar o brilho e o foco daqueles que realmente faz a cultura rica e enraizada.

A idealização do carnaval da Gameleira veio do mais antigo município da região, no qual a comunidade de Gameleira da Lapa já fez parte do seu terriório, que é Paratinga. Os paratinguenses têm um dos carnavais mais antigos da Bahia, cujo é realizado nas mesmas datas dos festejos gameleirenses.

O carnaval da Gameleira sempre foi realizado pelas machinhas, fantasias dos mascarados, conhecidos também como Caretas, bailinhos em clubes, encontre de bloquinhos e amigos. Essa é a diferença dos micaretas realizados em outros municípios, que possuem estrutura e artistas mais renomados. Aqui o artista maior é o povo que cria, participa e festeja.

Há quase sete décadas, assim como nos Festejos de Santo Antônio, Adenor Pereira de Oliveira - artisticamente conhecido como Checheiro - e sua banda são os grandes líderes, comandantes da folia momesca, tendo a referência de arrastar multidões pelas ruas da zona urbana do Distrito. Quase 90 anos de idade, sendo mais de 70 anos dedicado aos festejos de Gameleira da Lapa.

Outro personagem que tem contribuído muito pela inovação e realização do carnaval é o filósofo e professor, Pedro José. Sua atuação tem sido importante, pois os incetivos constantes conseguiram trazer resultados com ajuda no fortalecimento das raízes do carnaval.

Os caretas são o momento da criatividade, da imaginação e o momento da fantasia mais bem elaborada, que amedronta crianças e adolescentes; um dos ícones dessa cultura foi o famoso artista conhecido como "Coruja", que naquela época já mostrava como a reciclagem era importante, ao aproveitar caixas de papelões usadas para desenhar suas assustadores máscaras. Por um bom tempo somente os adultos saíam as ruas, mas a criançada foi ganhando espaço e hoje é a grande referência do início do período carnavalesco.

Por várias décadas o baile de carnaval da Gameleira foi realizado em clubes, atingindo seu auge no famoso Clube Asa Mel, e em seguida foi se expandido pelas ruas. Grupos de pessoas começaram a realizar seu carnaval em determinadas partes da comunidade e depois iam se encontrar em único local.

Mais tarde, veio a inovação com a criação do Carnafest, idealizado para ser o momento de grandes shows, com a criação de blocos de camisa para fortalecer a interação. Este componente do carnaval já teve trio elétrico na rua e atrações de renome regional. Assim, o Carnafest é um complemento de divulgação e atração de público do Carnaval Tradicional da comunidade.

A tradição, mesmo precisando de força pra se manter, continua sendo visível. Basta entrar o mês de janeiro que a criançada vai pra rua com suas fantasias, ficando até o último dia do carnaval no cotidiano da brincadeira.

Além dos famosos caretas (mascarados), o carnaval de Gameleira da Lapa tem desfile do Bloco das Crianças, Bloco da Terceira Idade, Bloco das Margaridas e o famoso Carnafest, com shows gratuitos durante os três dias.

Em conversa com algumas professores e pessoas mais idosas, as afirmações dão conta de que existe a necessidade de fortalecer as origens do carnaval, a criação, organização e envolver mais a comunidade no sentido da liderança na organização, e ao poucos depender menos de iniciativas do poder público, cujo é necessário nos apoios condizentes para o desenvolvimento cultural. Turistas e visitante e foliões devem aproveitar todos elementos do carnaval, e não somente aos shows, pois o conteúdo do carnaval gameleirense é essência de cultura viva.

Category: Jornal do Povo