Moradores por Domicilio

Written by: Editorial
Category: Temática

Moradores por Domicilio

ANO Sítio do Mato Gameleira da Lapa
2000 4,89 5,20
2010 4,06 4,33

    Em 2010, Gameleira da Lapa detinha 4,33 moradores por cada um dos seus 1.583 domicílios (564 na Zona Urbana e 1.019 na Zona Rural), inferior aos 5,2 do ano 2000. Esse valor é bem superior ao número do Distrito-Sede, que apresentou 4,06 em 2010, ante 4,89 em 2000. Em se tratando de domicílios, os dados mostram forte vigor da construção civil em todo o município. Mas, o destaque ficou por conta da Zona Urbana de Gameleira da Lapa, onde, entre 2000 e 2010, o número de domicílios cresceu na ordem de 63%. Em Sítio do Mato, a Zona Urbana apresentou crescimento de 40,5%. O vigor da renda, os programas de habitação popular e desapropriação de casas em situação de risco contribuíram para esses números.

Dados dos Domicílios dos Distritos

Sítio do Mato
Ano Urbana Rural Total
2000 1.592 1.327 2.919
2010 2.237 1.645 3.882
Variação 40,5% 24,0% 33,0%

 

Gameleira da Lapa
Ano Urbana Rural Total
2000 346 799 1.145
2010 564 1.019 1.583
Variação 63,0% 27,5% 38,3%


Nas Zonas Rurais, de ambos os Distritos, o crescimento foi menor, em razão da política tímida de Reforma Agrária do Governo Federal e o fato das pessoas estarem migrando para a Zona Urbana.
Portanto, o quadro panorâmico do Distrito se traduz de forma clara e simples para as políticas públicas, em que a maioria da população ainda jovem requer pesados investimentos em educação, esporte e lazer; a tendência do envelhecimento mostra que se devem ter melhores condições de saúde e previdência; e, por fim, Distritos mais urbanizados exigem mais investimentos em saneamento básico e habitação.

População Residente por Distrito e Total do Município de Sítio do Mato

Ano Sítio do Mato Gameleira da Lapa Total
2000 7.148 4.604 11.752
Participação 60,08% 39,2% 100%
2010 7.203 4.847 12.050
Participação 59,8% 40,2% 100%
Variação 0,8% 5,3% 2,5%

O número de moradores em Gameleira, em 2010, somou a marca de 4.847 habitantes, sendo em sua maioria de residentes na Zona Rural (Assentamos Rurais, Núcleos de Povoamento, Vilas entre outros). Assim, cerca de 3.088 pessoas residem nos meios rurais da região, representando próximo a 64% da população total; enquanto que cerca de 36% da população ou 1.759 pessoas residem na Zona Urbana do Distrito. Na comparação com 2000, esses números atestam para um aumento no grau de urbanização, isto é, as pessoas estão indo morar na zona urbana do Distrito.
Pode-se afirmar também que tem diminuído o número de famílias saindo do Distrito para morar ou buscar oportunidades em outras partes do Brasil, a exemplo de São Paulo, Brasília ou Goiás. Mas, tem-se observado que muitas famílias procuram deixar o Distrito para morar em outras cidades próximas, como é caso de Bom Jesus da Lapa, Paratinga e outras cidades circunvizinhas.
Por outro lado, Gameleira também tem atraído números significativos de famílias oriundas de diversas cidades e regiões, pelo vigor na agropecuária e pesca e localidade ideal para viver a terceira idade com qualidade de vida, apesar de ainda ter deficiência na área de saúde.
No que se refere ao gênero, o Distrito continua com certa predominância de homens, sendo estes responsáveis por 52,1% de toda população, apesar de uma leva redução quando comparado ao ano de 2000. Isso mostra que ainda existe certo equilíbrio da população. Isto porque, caso esteja ocorrendo migração, tanto pessoas saindo ou chegando ao Distrito, ou nascimentos tem se dado na mesma proporção de homens e mulheres.
Apesar de ser um Distrito composto em sua maioria por crianças e jovens, cerca de 64% de toda população ser de pessoas de 0 a 29 anos de idade, começa a se inverter esse processo. Em 2000 essa faixa etária representava 70% da população total. Neste caso, Gameleira já começa a mostrar sinais, não na mesma velocidade, da tendência que vem se desenhando no Brasil e no mundo, o de envelhecimento da população.
Isto pode ser explicado por dois motivos: estão nascendo menos crianças, devido ao acesso a informações e melhora nos níveis de escolaridade das mulheres (jovens e adultas), e também as pessoas estão vivendo mais, influenciado diretamente pelo aumento da expectativa de vida da população. Porém, esse cenário requer mais investimentos nas áreas de saúde e previdência, principalmente.
Esses números tendem a se consolidar pela diminuição no número de casamentos e o fato da maioria das mulheres retardarem o processo de “procriação”, o que irá ao médio e longo prazo tornar o topo da pirâmide etária mais “cheia”.

População dos Distritos e Total do Município

FAIXA ETÁRIA Sítio do Mato Gameleira da Lapa Total
- 2000 2010 2000 2010 2000 2010
0 a 4 anos 828 670 641 523 1.469 1.193
5 a 9 anos 985 814 707 570 1.692 1.348
10 a 14 anos 1.010 804 670 548 1.680 1.352
15 a 19 anos 972 808 587 553 1.559 1.361
20 a 24 anos 630 640 367 461 997 1.101
25 a 29 anos 403 645 262 438 665 1.083
Total de 0 a 29 anos 4.828 4.381 3.234 3.093 8.062 7.474
30 a 34 anos 397 520 727 320 669 840
35 a 39 anos 381 376 270 240 651 616
40 a 44 anos 336 393 188 253 524 646
45 a 49 anos 250 344 160 234 410 578
50 a 54 anos 223 295 121 184 344 479
55 a 59 anos 174 215 101 143 275 358
Total de 30 a 59 anos 1.761 2.143 1.112 1.374 2.873 3.517
60 a 64 anos 167 195 82 108 249 303
65 a 69 anos 135 162 61 96 196 258
70 a 74 anos 116 132 40 72 156 204
75 a 79 anos 57 87 24 44 81 131
80 a 84 anos 45 58 29 32 74 90
85 a 89 anos 25 24 13 17 38 41
90 a 94 anos 13 17 7 8 20 25
95 a 99 anos 1 2 0 0 1 2
100 anos ou mais 0 2 2 3 2 5
Total de 60 anos ou mais 559 679 258 380 817 1.059
TOTAL 7.148 7.203 4.604 4.847 11.752 12.050

     O Distrito de Gameleira da Lapa possuía três habitantes com 100 anos ou mais de idade, em 2010. Este número é 50% maior que o apresentado no ano 2000. O Distrito de Sítio do Mato, que antes não tinha centenários em 2000, revelou em 2010 que possuía em seu território dois habitantes. Sendo assim, o município como todo totalizou cinco pessoas na casa dos 100 anos ou mais, número que tende a crescer nos próximos anos.
     O envelhecimento da população associada à política de valorização do salário mínimo e outros programas sociais do Governo Federal têm contribuído para dinamizar as condições socioeconômicas local. Nesse panorama, as famílias continuaram com números expressivos de moradores por domicílios, apesar de ter caído.

Fonte: Censos do IBGE
Elaboração: Editorial do Site