SÃO JOÃO DO OESTE: Região Mostra Potencial, Mas Carece de Mais Apoio

As Festas Juninas no Oeste da Bahia mostrou que a região é forte, tem tradição, mas ainda precisa de maior participação das instituições de fomento ao turismo, tanto federal quanto estadual. O São João de Sítio Grande, em São Desidério, e Paratinga são os maiores em visibilidade, enquanto o de São Félix do Coribe e de Coribe têm uma grande expressividade regional. Já no que diz respeito ao São Pedro, Bom Jesus da Lapa se destaca pelo volume de recursos empregado na festa e a Comunidade de Nova Esperança (Traíras), em Serra Dourada, vem se destacando e crescendo a cada ano.

No que diz respeito ao São João de Sítio do Mato, que inclui o novato Arraiá do Sítio e o tradicional Arraiá do Gamelá, este se apresentou razoável em termos gerais, mesmo quando se buscou em transformar o festejo em local, ao invés de regional. A população apresentou as queixas, mas soube se divertir com sua naturalidade, sem se importar com outros detalhes. O fluxo turístico foi tímido e as atrações artísticas que se destacaram foram as locais.

No Arraiá do Gamelá, as incertezas de realização do evento, a divulgação limitada e o esvaziamento das atividades inerentes ao festejo ficaram evidentes. Porém, a hospitalidade do povo gameleirense e a harmonia foram os diferenciais para alegrar as duas noites do São João. A ornamentação foi aprovada e conseguiu amenizar as outras deficiências nesta festa tão característica e tradicional.

A falta do Concurso de Quadrilhas, das famosas brincadeiras juninas e das fogueiras foram os itens mais perguntado pelos visitantes, isto é, viram um realidade totalmente diferente daquela que costumam presenciar nesta época do ano no Distrito.

No que diz respeito as origens dos visitantes, o destaque foi para o número de pessoas do Distrito Federal, Goiás e Minas Gerais. Estes turistas passaram em média entre 3 a 4 dias no Distrito de Gameleira da Lapa, o que mostra os efeitos locais derivado da festa junina.

Os destaques nas noites frias de junho ficaram com a contagiante cantora Lidiane Costa, que empolgou o público, e a revelação do irreverente ritmo dos Manos da Pegada. Shaulin e Resgate do Forró mantiveram a tradição do arrasta-pé. 

Com base nisso fica o alerta para o poder público e comunidade, em que festa junina precisa ser tratada de uma forma especial, pois esta é uma das fontes de renda do município. Isto é, gestores públicos precisam envolver líderes culturais e a comunidade, se desligando das estratégias políticas, para que seja realizado um evento benéfico ao município e a população que tanto depende de fontes de geração de emprego e renda.

Recursos de Apoio da Bahiatursa

O principal órgão de fomento ao turismo no Estado da Bahia é a Superintendência de Fomento ao Turismo do Estado da Bahia (Bahiatursa). Neste anos de 2017, a instituição disponibilizou recursos para a realização dos festejos de Santo Antônio, São João e São Pedro em todo Estado, cujos valores variaram de R$ 30 mil a R$ 100 mil por município.

Para captar os recursos, os municípios teriam que submeter os projetos com seus respectivos festejos até o dia 26 de maio, conforme foi publicado no Diário Oficial do Estado da Bahia (DOE). A ideia é que os municípios menores poupem recursos para realizarem os gastos em outras áreas prioritários, e o governo arque com parte dos custos que envolvem artistas, estruturas e entre outros itens. 

No dia 21 de junho, o órgão publicou no DOE os município contemplados, perfazendo um total de 87 contemplados no projeto São João da Bahia e Demais Festas Juninas 2017. Fica claro que não houve preferência política, pois tem municípios, nos quais os gestores não pertencem a partidos da base do Governo do Estado. Veja a lista geral abaixo:

Santo Antônio, São João e São Pedro e Outras: Glória, Teolãndia, Serrolândia, Jandaíra, Mirante, Caetanos, Paramirim, São Domingos, Jaborandi, Iraquara, Prado, Planaltino, Contendas do Sincorá, Alagoinhas, Amargosa, Andorinha, Aramari, Banzaê, Barra da Estiva, Barra do Mendes, Barro Preto, Bom Jesus da Lapa, Botuporã, Brumado, Caculé, Caetité, Candiba, Cândido Sales, Campo Alegre de Lurdes, Cícero Dantas, Condeúba, Contendas do Sincorá, Cordeiros, Coribe, Cruz das Almas, Dias D´Avila, Dom Basílio, Dom Macedo Costa, Érico Cardoso, Gandú, Guajeru, Heliópolis, Iaçu, Ibipitanga, Ibirapuã, Ipiaú, Irajuba, Irecê, Itaberaba, Itajibá, Itiruçu, Itatim, Itiúba, Ituaçu, Jacobina, Jaguaquara, Jeremoabo, Lafaiete Coutinho, Lauro de Freitas, Mairi, Maracás, Miguel Calmon, Milagres, Mutuípe, Nova Viçosa, Paripiranga, Paulo Afonso, Planaltino, Planalto, Prado, Presidente Jânio Quadros, Queimadas, Quijingue, Retirolândia, Riachão das Neves, Ribeira do Pombal, Santa Brígida, Santana, Santo Antonio de Jesus, Santo Estêvão, São Desidério, São Felix do Coribe, Souto Soares, Tanquinho, Tapiramutá, Ubaíra e Vitória Da Conquista.

Os municípios da Região Oeste que foram beneficiados:

Jaborandi recebeu apoio para os festejos de Santo Antônio. Enquanto que Riachão das Neves obteve complementação do Estado para os festejos do município; e Santana para o micareta que foi realizado no início do mês de Julho.

Fica claro que o órgão vem contribuindo para o desenvolvimento e fortalecimento das tradições juninas no interior do Estado. Mas para que isso seja efetivo, o município com os gestores públicos e a comunidade precisam dar o passo inicial para que os recursos sejam disponibilizados e contribuam para tornar vivo os festejos dos municípios.

O Governo do Estado precisa desconcentrar a atuação dos órgãos de turismo nas regiões próximas as Capital. A Região Oeste ainda carece de maior atenção não só com apoio financeiro, mas técnico e de infraestrutura para desenvolver o turismo de forma sustentável. É preciso interiorizar o turismo.

O município de Sítio do Mato, que é mais carente de recursos, não recebeu nada. No entanto, Bom Jesus da Lapa que é um município com maior poder financeiro recebeu R$ 80 mil, o que significa menos recursos saindo dos cofres da prefeitura lapense. Uma completa confusão da função do Estado ou falta de interesse por parte do município. Além disso, não temos informação do porquê que o Município de Paratinga também não está nesta lista, pois tem um dos festejos mais antigos da região.

Assim, o município de Sítio do Mato precisa correr contra o tempo e entrar para o mapa do turismo junino baiano. No caso do Distrito de Gameleira da Lapa, os Festejos de Santo Antônio e Arraiá do Gamelá são fortes candidatos a receber recursos de apoio por parte do Governo do Estado, através da Bahiatursa. Lideranças culturais e estudantis, com apoio do poder público, já podem ir preparando o projeto para o ano de 2018.

Category: Jornal do Povo