Semana Santa em Gameleira da Lapa Se Consolida Na Região

A cultura e as crenças no Distrito de Gameleira da Lapa ficam evidentes durante todo o período da Quaresma até a Páscoa. A comunidade sempre foi ativa nos aspectos que envolvem a religião, os costumes e as tradições repassadas por diversas gerações.

Geralmente, bares, restaurantes e o comércio local fecham ao meio-dia da Quinta-Feira Santa, e só reabrem no Sábado de Aleluia. Os eventos que marcam este período, além dos cultos e crenças religiosas, tem a peça teatral, A Paixa de Cristo, e a Cavalgada dos Amigos. Ambos eventos trazem grande movimentação na comunidade, atraindo principalmente turistas e visitantes ao Distrito.

A Paixão de Cristo

A criação artística estabeleceu uma forma de inovar, mas sem perder tais características que mantivesse o legado transferido pelos mais velhos. Assim, a participação do Grupo de Teatro Filhos de Eva trouxe um novo modelo de conhecimento, de representação e de exposição da história que este período representa.

Com base nisso conversamos com Harlisson Almeida, diretor do grupo, sobre este projeto que vinha sendo realizado, mesmo tendo sofrido algumas interrupções e já é uma referência na região. De acordo Harlisson, "a peça teatral Paixão de Cristo trouxe pra gente uma forma criativa de absorção de conhecimento e descoberta de pessoas talentosas." De fato, crianças e jovens, quando não participam, assistem atentamente as apresentações, repercutindo na comunidade e na escola.

Ainda na avaliação do diretor teatral, a ocupação dos dias santos (quinta e sexta) transformou Gameleira numa espécie de potencial em destino turístico. "Nós realizamos a peça em duas etapas: na quinta apresentamos a Cerimônia do Lava-Pés e, na sexta, a Paixão de Cristo. Inicialmente, achávamos que somente pessoas daqui de Gameleira que acompanhava. Depois começamos a perceber que muita gente de fora vinha assistir a peça", destaca Harlisson.

Quanto a não apresentação da peça este ano, Harlisson afirma que "está remodelando a estrutura do projeto, para que possa atrair mais participantes, criação dos cenários e buscar recursos nos governos, empresas e pessoas físicas que queiram e possam ajudar a custear as despesas deste projeto comunitário."

O grupo está preparando uma apresentação surpresa para o mês de junho, cujo o tema será os festejos juninos e o Rio São Francisco. A peça não será apresentada somente em Gameleira, mas também está programada para apresentar em outros municípios de região.

Cavalgada dos Amigos

Além da apresentação teatral, outro componente deste período é a Cavalgada, evento que já chega a sua 12º edição. O festejo tem ganhado mais destaque porque é bastante conhecido, uma vez que está sempre em evidência nos anúncios do programa Globo Rural, da TV Globo, e Bahia Rural, da TV Bahia. Algo que coloca em evidência o município de Sítio do Mato como um todo.

Em conversa com os dirigentes deste evento, Max, Zilma, Harlisson, Ney e Mariza, os integrantes são seguros quanto a importância deste festejo para a comunidade e seus participantes. Para a Max, "é um evento que mostra o movimento do esporte de cavalgada, do homem do campo até aqueles que simpatizam, promovendo a satisfação dos participantes e a integração em cada comunidade que é visitada, o que acaba trazendo mais responsabilidade para os organizadores."

Neste período de realização, a Cavalgada tem ocorrido nas comunidades de Tataíra, São Francisco, Pajeú e Mangal Barro-Vermelho. "Nessas cavalgadas, a média de participantes a cavalo é de 350 cavaleiros, tendo algumas chegado a 500 e até 700 participantes", destaca Ney. Já o público geral que acompanha o festejo varia entre 1,5 mil a 2 mil pessoas a cada edição.

Observando os destaques da Cavalgada, a cada ano existe uma forma de passar a mensagem para os participantes e população de modo geral. Anos anteriores tiveram mensagens sobre o Rio São Francisco, a vaquejada e a profissão de vaqueiro. Em conversa com Harlisson, ele nos apontou a mensagem deste ano, que foi sobre o Cerrado (símbolo na manga das camisas). "Este bioma, no qual fazemos parte, sempre convivendo com problemas. Temos as questões da exploração dos rios, a falta de chuva, desmatamento e ameaça de extinção dos animais silvestres na nossa região. Todas essas questões precisam ser tratadas com cuidado."

Zilma e Mariza destacam que o movimento gerado na região é grande. "Além de gerar movimentação na comunidade, atrai um grande público de turistas e visitantes, de outras cidades e outros estados", segundo Zilma. Já Mariza lembra que "a participação vai desde criança a idoso, o que mostra o sucesso do evento e o envolvimento de toda a comunidade."

Avaliação

Com base na dimensão destes dois eventos, fica claro que é um período de destaque no Distrito, gerando um forte dinamismo na região. Os resultados disso são a oportunidade de gerar emprego e renda, mesmo que temporariamente, e também projetando a imagem da localidade no cenário do ecoturismo. O comércio e várias atividades produtivas são incentivadas neste período, trazendo negócios não somente na localidade, mas também em outros municípios.

É importante lembrar que ambos eventos ainda não têm o apoio do poder público, sendo custeados em sua maioria com recursos próprios e de patrocinadores e colaboradores. A estruturação em forma de projeto pode ser um caminho para fortalecer ainda mais estes eventos, que já estão consolidados.

Por vários anos, é notório, além do povo sitiomatense, a presença massiva de pessoas de diversos municípios circunvizinhos e também de Caravanas do Distrito Federal, Goiás e de São Paulo também são frequentes neste período. O foco em atrair mais turistas também deve ser um fator que beneficia toda região.

Category: Últimas Notícias